Páginas

Ctrl + C... Ctrl + V







Olha, não sou muito de sair por aí copiando as coisas que saem na midia palmeirense, no máximo que faço é uma citação das mesmas. Mas depois do jogo contra o Grêmio, Flamengo, a briga no aeroporto e a putaria do nosso comandante resolvi postar dois textos que retratam fielmente o que passa pela minha cabeça sobre esses assunto. Boa leitura e boa cornetagem...


Forza Palestra


Sobre derrotados e vencedores

Como em todo o restante do material que os senhores podem encontrar neste blog, falo por mim – e só por mim –, mas essencialmente sem o oportunismo barato que caracteriza aqueles que só sabem aparecer na hora de comemorar. Eis o que temos:

Mais do que tudo, preocupa entrar no Palestra já com o peso da derrota sob as costas – e eu deixei para subir a escada apenas ao término do Hino Nacional, pois queria sentir isso o menos possível.

Foi então que olhei para aquele grupo de jogadores com o desprezo que se dedica aos derrotados, pois é isso que eles são, a começar pelo treinador e feitas as três exceções de praxe, logo os dois que foram às redes e o santo que deixou um zero no placar.

É natural pensar assim, pois eles conseguiram sair dos sete pontos de vantagem após a heróica vitória no Mineirão para a atual desvantagem de sete pontos. Inacreditável? Bom, ficou mais fácil de entender ao assistir, ainda na minha casa, à vitória leonor em São Januário. Já fora assim no Canindé, in loco, duas semanas atrás, quando, a bem da verdade, senti a derrota, mais até do que no Palestra, no Maracanã ou na minha casa.

E o resultado de ontem foi claramente mais dramático, pois levou também ao rebaixamento do Vasco. Triste que tenha sido assim, mas parecia mesmo inevitável. E por mais que seja possível, é pouco inteligente argumentar contra algo chamado competência.

A competência, no entanto, ocorre dentro de campo - e não nas arquibancadas leonores - e tem como complementos toda a já conhecida sujeira dos dirigentes, o apito bambi, o apoio midiático e tudo aquilo que é dito neste e em outros blogs.

Se a competência não pode ser contestada, é necessário reforçar que a genética oportunista desta gentalha desponta mais uma vez. Vejam vocês que as meninas ficaram caladas o campeonato inteiro, em silêncio e sem dar muita importância para nada, para então aparecerem no final, enchendo a boca para festejar algo que não fizeram por merecer. Bastante típico.

É a geração vitrine. Gente baixa, sem escrúpulos, sem dignidade. Gente forjada em tempos perdidos, de valores morais deturpados e em que o caráter de uma pessoa conta pouco. Gente que desconhece a própria história e vive do esforço alheio, pois só o que se valoriza é a conquista a todo custo. Gente sem alma. Sub-raça mesmo.

Ontem, no Palestra Itália, havia um grupo de derrotados dentro de campo, mais alguns à beira dele e outros tantos nos camarotes. Mas havia também vencedores, poucos no gramado e milhares do lado de fora, na arquibancada, no Visa, nas numeradas. E mesmo quem não pôde ir, mas fez parte da campanha, acreditando desde o início, mesmo contra o boicote interno.

Acredite, palestrino: eu, você e todos os que fomos ontem ao Palestra somos muito mais vencedores do que 80% dos oportunistas que devem ir ao estádio do Jd. Leonor no próximo domingo - e mais do que esse imbecil que trabalha com você e resolve agora falar besteira depois de passar o campeonato todo ausente.

Mais vale defender um ideal e manter a dignidade na derrota do que fazer número em uma massa alienada, que comemora algo sem lutar.

Palmeiras 2x0 XV de Jaú


[...] foi com gols de Kleber e Pierre que o
Verdão venceu o Ipatinga por 2x0, voltou a ocupar um lugar no G4 e a postular uma vaga à Libertadores, que é apenas o plano B. Foi um jogo absolutamente sem graça. Admito que mal vibrei nos gols. Ganhar do Ipatinga não é nada mais do que a absoluta obrigação. Só haveria alguma chance de empolgação se o time desse show, como aquele de 96, sob o comando de um certo Luxemburgo, que pegava um time fraquinho pla frente e era de 6 pra cima.

Mas a falta de vibração é evidente. A rapaziada ainda não absorveu bem o baque da perda do título, e a frustração é indisfarçável. Pra completar, o time voltou a entrar mal escalado. Luxa insistiu em escalar três zagueiros, e entre Elder Granja e Fabinho Capixaba, entre Nhô Ruim e Nhô Pior, optou por aquele que pelo menos vai à frente com mais freqüência, por ter alguma velocidade. Mas Nhô Pior, quer dizer, Perivaldo, ou melhor, Fabinho Capixaba não tinha acertado um único cruzamento no campeonato. Hoje, acertou o primeiro, e foi justo o que o voleio de Kleber falhou - seria um golaço.

E Pierre, coitado, mais uma vez ficou naquela função que claramente vai mal, porque dá o primeiro combate só por um lado do campo e ainda tem que sair jogando, coisa que não é seu forte. E era disparado o pior em campo, quando achou uma bola espirrada e guardou um golzinho, pra salvar sua noite, Ainda bem, Pierre não merece sair como o pior do time porque entra mal escalado.

De resto, mais uma atuação muito legal de ver do Kleber. Dá gosto de ver esse cara jogar. O problema é que o palmeirense não quer saber de ter como maior ídolo um cara raçudo, embora essa qualidade tenha que ser valorizada no futebol de hoje. É que a camisa do Palmeiras é mais que raça. Se tivéssemos 11 Klebers no time, seria melhor do que é hoje, poderia até ganhar o campeonato, mas não é a cara do Palmeiras. Precisamos de um maestro. Senão, vai ser esse time com cara de década de 80.

Diego Souza era a grande aposta para este segundo semestre. Hoje, ficou no banco e não entrou. Com a saída de Valdivia, era de se esperar que o grande líder do time fosse Diego, que jogou sacrificado enquanto o chileno estava no time, e depis de sua saída finalmente conseguiu o espaço que precisava para brilhar. Mas não brilhou, em parte por seu próprio mau desempenho técnico, em parte pela incapacidade do técnico em fazer o grupo funcionar em função dele - técnico que avalizou a saída do chileno, afirmando que não faria falta exatamente pelo esperado crescimento de Diego.

Luxemburgo fez três modificações hoje. Com a necessidade da saída de Roque Junior, ele colocou o Jeci, mantendo o esquema meia-boca. Podia ter colocado o Denilson, ou o Diego Souza, pra fazer um monte de gols - ou pelo menos tentar. Bem depois, faltando menos de 15 minutos, é que colocou o Denilson no Evandro, quando o Ipatinga já tinha um a menos. E a cereja no bolo foi Leo Lima no Kleber a menos de 2 minutos pro fim. Leo Lima quase fez um gol contra num escanteio. Só um detalhe: Leo Lima e Denilson têm contrato por produtividade, mas deve ser só coincidência.

Depois do jogo, a entrevista de Vanderlei Luxemburgo, foi elucidativa. Após vencer o Ipatinga, ele se sentiu bastante à vontade para criticar o episódio do aeroporto, e colocou toda a culpa do resultado negativo no Rio nesse acontecido. Falou, fez biquinho, disse que está triste, e o discurso foi claramente preparatório para pular fora do barco. Quanto a isso, duas observações: 1) Se não ganhasse do Ipatinga hoje, ele sequer tocaria no assunto do aeroporto, e 2) Antes do jogo contra o Flamengo, à beira do campo, ele não demonstrava essa "tristeza" toda. Nosso treinador está puxando o carro e está usando todos os seus álibis.

E querem saber? Se é para bancar o manager, não serve. O clube é que não vai arcar com a multa rescisória. Mas através da Diretoria de Futebol pode, e deve, exigir que ele cumpra sua função de treinador, e apenas treinador. E se ele não aceitar, que peça as contas e volte para o Santos, ou pra onde quiser. Queremos o Luxemburgo focado, dando treino, estudando adversário; queremos aquele técnico
que ganha jogo, a comissão técnica mais cara do país dando resultado.

Hoje Luxa estava sentadinho, quietinho, assumidamente desmotivado. Os reservas, encostados na placa de publicidade, só de vez em quando davam um piquezinho. Nem o Melo parece que tá com vontade de trabalhar. E o time caindo de produção fisicamente no segundo tempo a olhos vistos, todo jogo. Se é assim, peçam as contas. Com o dinheiro que se paga por mês pra essa turma, dá pra trazer DOIS meias de primeiro escalão, pra ganhar a Libertadores, e sem recorrer à Traffic.

Ou então, meu caro Luxemburgo, volte a ser o velho Luxemburgo. Em seu discurso, você evocou sua história no clube, sua trajetória bonita e vencedora, mas nesse passado você não se metia a manager. Este ano você ficou devendo, meu chapa. E se mantiver essa postura em 2009, vai falhar de novo, e daí vai arrumar outro episódio qualquer como álibi para seu fracasso. Assim não queremos.


Luxa, volte a ser técnico, e você ainda será muito feliz no Palmeiras. Ou então, vaza.

Vergonha!







Não quero e não preciso colocar em textos o que toda a nação palmeirense está sentindo com toda essa palhaçada, que se desenrolou desde domingo passada.



Aviso aos acomodados:


O Palmeiras não precisa de vocês.
Por favor, vão embora!







Vergonha!

Entrevista do Marcão ao site Terra - 11/11





Comecem a ler a entrevista de baixo para cima


------------------------------------------


18h19 - Obrigado por acompanhar mais uma transmissão ao vivo do Terra.

18h18 - Ao vivo - Acaba neste momento a entrevista do goleiro Marcos. Ele pediu desculpas ao elenco e ao técnico Vanderlei Luxemburgo sobre o ocorrido. Porém, garantiu que ainda não conversou com o comandante.

18h16 - Ao vivo - "Claro que depois que levamos o gol contra o Grêmio, não existe mais tática. Vira coração. Mas pode ter existido uma falta de comunicação, sim", afirma o goleiro, lembrando que não foi avisado pelo time que ainda restavam 15 minutos para o fim do jogo.

18h13 - Ao vivo - "Eu sei cabecear. E não precisa ser tão bom. É só ter tamanho. Qualquer desviada você complica o goleiro. E eu fui com essa intenção", explicou.

18h10 - Ao vivo - "Eu estaria de cabeça erguida aqui. E não teria chegado de cabeça baixa, como cheguei", diz Marcos, prevendo qual seria sua reação ao chegar ao clube hoje caso tivesse feito o gol de empate contra o Grêmio.

18h09 - Ao vivo - "Primeiro gostaria de pedir desculpas ao Rogério Ceni por citar tanto o nome dele. Mas é que quando falamos em goleiro com o pé, tem que citar ele. Mas quanto ao fato de melhorar com o pé, precisa ver o que seria se aperfeiçoar. O Cech é o melhor do mundo e dá chutão. O Buffon eu nunca vi driblando ninguém. Não sou ruim com o pé. Sou normal. Claro que comparando com o Ceni eu sou ruim", defende-se o goleiro Marcos.

18h05 - Ao vivo - "Acho que jogam uma responsabilidade muito grande em cima dos árbitros. Mas acredito neles. Não acho que fariam nada para prejudicar os outros e ajudar os gaúchos. Se eles errarem, não será por má fé. Isso jamais", opina Marcos, lembrando da escalação de árbitros gaúchos para os jogos do Palmeiras.

18h02 - Ao vivo - "Eu jamais faria alguma coisa contra o Vanderlei. Principalmente depois do que ele fez por mim esse ano (colocou o goleiro para jogar após longo periodo afastado por lesão). Não existe isso de grupo do Marcos e grupo do Vanderlei. Mas eu sei que vão falar", afirmou Marcos, negando qualquer tipo de problema com o treinador do Palmeiras.

18h01 - Ao vivo - "Se vão acreditar em mim ou não, eu não sei. Mas essa é a minha explicação. E tenho certeza que vou dormir melhor sendo sincero aqui e falando tudo isso. Minha atitude foi horrível, mas minha intenção não. E outra. Eu sei que eu sou ruim. É rídiculo pensar que o time precisa do goleiro para fazer o gol. Mas eu não pensei nisso. Queria só ajudar. Fazer alguma coisa diferente", explica o camisa 12 do time alviverde.

17h56 - Ao vivo - "Perder o pai é uma coisa que não tem explicação. Fiquei meio sem chão uns dois dias. Mas dentro do jogo não senti nada. tanto que o Vanerlei perguntou e eu falei que estava bem. Só esse erro no fim (de ir ao campo de ataque tentar o gol). Tem coisas que eu faço e depois olho e falo: 'como pode, gente'. Tenho que me policiar dia-a-dia", afirma Marcos, primeiro a respeito do seu estado após a morte de seu pai e depois sobre o jogo de domingo.

17h54 - Ao vivo - "Eu acredito e confio na confiança que o Vanderlei tem em mim. O errado domingo fui eu. Não acho que a torcida tenha que ficar contra o treinador", diz o goleiro, antes de interromper a entrevista e pedir um copo de água.

17h53 - Ao vivo - "Aqui no Palmeiras é difícil. Mesmo se a gente tivesse perdido do Grêmio de uma maneira diferente, a cobrança seria a mesma. A cobrança em mim é diferente da que tem sobre o resto do elenco. Mas é o que eu falei. O Vanderlei tem todo o direito de tomar a decisão que achar melhor em virtude da minha atitude em campo", voltou a destacar o goleiro.

17h50 - Ao vivo - "Enquanto temos chances matemáticas, temos que lutar para sermos campeões. Claro que é difícil o São Paulo deixar escapar, mas pode acontecer. Mas não temos que pensar nisso. E sim em ganhar os quatro jogos restantes", afirma Marcos, negando que o Palmeiras briga apenas pela vaga na Copa Libertadres.

17h48 - Ao vivo - "Eu não vi o Vanderlei pedindo nada. E ninguém chegou para mim e disse: 'calma, faltam 15 minutos'. Eu fiz tudo aquilo por achar que o jogo estava no final. Cheguei no vestiário pensando que eu estava certo. Quando cheguei no carro e minha mulher disse que eu fui a primeira vez ao ataque aos 29min que eu vi o erro", comentou o goleiro, camisa 12 do time do Palestra Itália.

17h46 - Ao vivo - "Acho que o time não jogou mal. Deu azar de levar aquele gol achado. Talvez eu tenha feito mais defesas que o Victor, mas em virtude da maneira que jogamos, oferecendo o contra-ataque ao Grêmio. Jogamos bem domingo. Perdemos por uma fatalidade. Levamos o gol em um erro coletivo nosso", comenta Marcos sobre a partida diante do Grêmio.

17h45 - Ao vivo - "O Vanderlei tem todo o direito de me punir. Por isso estou aqui explicando que não tive intenção nenhuma de passar por cima do comando do Vanderlei. Ele sempre foi meu amigo. Me cobra. Exige de mim. E sempre foi meu amigo. Tenho certeza que ele acredita na minha palavra. Não sei o que vai acontecer. Se ele vai me punir dentro de campo. mas sei que fora ele continua meu amigo. Estou sendo sincero. Não tive intenção nenhuma de colocar a torcida contra os jogadores e o treinador", reitera Marcos sobre a atitude tomada no domingo.

17h43 - Ao vivo - "Sempre que eu saio na rua eu vejo o respeito que os outros torcedores tem comigo. Então para fora ajudou mais, e dentro menos", afirma Marcos sobre o seu jeito sincero.

17h41 - Ao vivo - "A torcida tem que apoiar o Luxemburgo, sim. Claro. Ele é o treinador da equipe", explica Marcos.

17h40 - Ao vivo - "Um psiquiatra tavez entenderia o que eu fiz (subir ao ataque para tentar o gol de empate contra o Grêmio). Mas você viu que eu melhorei. Caso contrário eu teria dado entrevista e complicado tudo. Mas eu sai de campo quieto. E já aviso que até o fim do ano eu não dou mais entrevistas após o jogo", afirma Marcos, lembrando que sempre causa polêmica ao falar com a imprensa de "cabeça quente".

17h38 - Ao vivo - Goleiro Marcos fala sobre o jogo diante do Grêmio e também sobre a polêmica criada ao torno de suas subidas ao ataque.

17h37 - Ao vivo - Elenco do Palmeiras se reapresenta após a derrota para o Grêmio, que deixa o time mais longe do título do Campeonato Brasileiro.

Leilão do gladiador!




Leilão de camisa autografada do Gladiador


Seja companheiro de ataque do jogador Kléber. Neste leilão o que vale é sua boa ação. A camisa do Gladiador será leiloada em cestas básicas. As cestas serão entregues para uma instituição de caridade. Para participar é muito simples: envie seu lance para o email promocao@klebergladiador.com.br e acompanhe aqui no site quem está na liderança do leilão pela camisa. Mais do que uma demonstração de carinho pelo jogador, esta promoção é uma grande chance de ajudar a quem precisa. O vencedor ganhará a camisa autografada (ilustrada na foto) pelo Gladiador e também poderá ajudar o Kléber na entrega das cestas.


Valor como base: Cesta básica popular CBA R$ 49,00


Para saber mais, acesse.


http://www.klebergladiador.com.br/index.shtml




Mais um da série: não tou a fim de escrever, logo... eu copio!



----------------------------

Luxemburgo x Marcos - Possível diálogo pós domingo



Luxa: Marcos, me explica que po#%* foi aquela de domingo?

Marcos: Não tem explicação professor!

Luxa: como assim porra?

Marcos: Por que não tem!

Luxa: Você está me irritando Cacete! Toda vez você sai como santo, sempre quando erra, a torcida grita seu nome, e eu saio como vilão?

Marcos: Não fiz nada premeditado professor. Fiz porque jogo com o coração, fiz o que qualquer um naquele estadio faria, fiz o que nenhum jogador fez o jogo todo. Ngm teve a coragem de bater no peito e assumir a responsabilidade. Você não sabe o que é ser palmeirense. Você não sabe o que é permanecer em um time por mais de 15 anos. Você não sabe o que amor a camisa. Aqui é Palmeiras, e será sempre. Um time de sangue gueirreiro nas veias.
Professor, sei que tenho que seguir ordens suas, e peço desculpas por não ter lhe respeitado naquele momento. Na hora não escutei nada. Na hora não via nada. Só uma vontade imensa de ter a esperança de ser campeão novamente. Dar a esperança a todos que encheram os olhos de lagrimas quando o gremio abriu o placar. Só queria mostrar pros meus companheiros que o que faltava ali era VONTADE.

Luxa: Marcos, aquilo que vc fez, queimou todos os seus companheiros novos, colocou todos em saia justa.

Marcos: Cada um se queimou sozinho. apartir do momento que não correu, não lutou, se acomodou, e se entregou. Garanto que Pierre, Gustavo, Kleber e Alex Mineiro não se incomodaram nem um pouco com aquela atitude.

Luxa: Por favor Marcos, vai treinar que domingo temos que ganhar de qualquer forma.

Marcos: Sim senhor professor! Sim senhor!

Sobre o jogo? Apenas isso de positivo...






Retirado de um blog Corinthiano


------------------------------


São Marcos


Em 1999 e 2000, por duas vezes, o goleiro do Palmeiras deixou todos os corinthianos nervosos, tristes, decepcionados, putos.

Seu nome ainda era Marcos. Só Marcos.

Virou São Marcos.

E hoje, 8 anos depois, o mesmo goleiro deixou este corinthiano com lágrimas nos olhos.

Pelo que fez a partir dos 30 minutos do segundo tempo do jogo em que seu time ia sendo derrotado pelo Grêmio por 1 x 0 dentro de casa, jogo que valia a vida no campeonato, a luta pelo título.

Ao correr pra área adversária, primeiro numa falta, depois num escanteio, depois com a bola rolando, São Marcos não desrespeitou apenas as ordens de Luxemburgo.

Muito mais do que isso.

Ele foi contra o disciplinamento excessivo.

Contra o controle sem sentido.

Contra o jogar sem emoções.

São Marcos derrubou a barreira entre jogador e torcedor. Fez o que todos os 28 mil na arquibancada queriam ter feito.

Escutou seu coração, lembrou o ditado, o colocou na ponta das chuteiras, e disse: “isso é a minha vida, eu decido o que fazer com ela”.

Como disse um amigo, lembrou Garrincha.

E Pelé.

E Maradona.

Foi, simplesmente, genial.

A derrota de ontem deveria ser para o palmeirense talvez uma das mais orgulhosas dos últimos tempos.

Porque, pra além do que ela significou em termos de campeonato, está seu significado pro imaginário, pra memória, pro coração do alviverde.

Que ficou sabendo, mais do que nunca, que ali, embaixo das suas traves, no comando da defesa que ninguém passa, está também uma parte da torcida.

Que canta e vibra.

Pelo alviverde inteiro.

Que sabe - e como sabe - ser brasileiro.

Marcos, sei que provavelmente você nunca vai ler isto.

Mesmo assim, precisava agradecê-lo por me dar a certeza de que você, com esse caráter incrível, não defendeu aquele pênalti em 2000.

Foi o Marcelinho que o perdeu.

Abraços.

De um fã corinthiano que, mesmo assim, não pode deixar de aplaudir um gênio do futebol.

Passeio na Argentina








Olha, não sabia que o Palmeiras além de time de Futebol e de outras atividades esportivas também era agente de viagens. O papelão que o time do comentarista global Luxemburgo fez, foi de doer o Pâncreas. Não que esse campeonato valha alguma coisa. Mas nunca quis que meu time entrasse para brincar. Meu amores, em campeonato de par ou ímpar não aceito empate, imaginem então perder para um time argentino.

De valioso que podemos tirar disso é que o nosso time ainda não tem o plantel para disputar duas competições. Por quê? Bem, pergunte ao tio Luxa! Têm jogadores que não podem nunca mais passar perto do Palestra Itália, imagine então vestir a sagrada camisa. E que goleiro é o bruno, hein! Se confirma o que muitos diziam sobre ele. Tem um talento muito grande. É a nossa fantástica fábrica de goleiros em intensa produção.


Agora são águas passadas e só nos resta pensar no jogo contra o Grêmio e na secagem geral contra os bambis.



STJD

Que papelão, hein! Não quero nem dizer mais nada do que já foi dito afora pela Mídia Palmeirense. Pois, minha insatisfação é tamanha quando se comparado aquele salto que quebra numa festa da empresa e todos te olham com aquela cara. É um misto de raiva e vergonha!
O que fizeram com Diego Souza foi vergonhoso. Mas vamos ser campeões contra tudo e contra todos.


Força

David, não vou entrar no mérito do que houve com você. Apenas lhe desejo muita força nesse momento difícil e espero que as coisas se resolvam o mais rápido possível. Força garoto! Não deixe se abalar, sei como você se sente, mas como eu disse em nossa conversa, saiba que pode contar sempre comigo, mesmo eu estando muito longe. Estou te mando muitas vibrações positivas.
E sobre aquela idéia idiota de acabar com o Blog, você quer mandar todos nós embora!? hehe Olha que eu não cumpro o aviso prévio!
Te desejo melhoras. De coração!

Quase infarto





Depois de passar mal com a magnífica corrida de F1 antes do jogo do Palmeiras - ainda que digam que podem ter sido comprada, coisa que não duvido e não acredito ao mesmo tempo - fui prestigiar nosso Palestra em mais um jogo decisivo no famigerado Brasileirão 2008.

Meu amigo se continuar assim, vou ter que renovar meus estoques de calmantes que estavam escassos desde a época Felipônica. Jesus Maria José! Que jogo dramático. mas que poderia ter sido desenhado diferente se o Palmeiras acertasse a marcação depois do gol do Kléber e o bandeirinha e o juiz tivessem tido peito para anular o gol (não que tenha sido mão, mas que ficou um ar de mistério sobre o que o juiz pensou na hora, ah isso ficou). Onde já se viu o bandeira não correr pro meio de campo e o juiz voltar não voltar atrás em suas decisões. Conheço um lugar. Qualquer um contra o Palmeiras, já que do outro lado do muro... enfim!

Ainda sobre o jogo prefiro acreditar que o time do Santos vendeu caro a derrota do que o Palmeiras tenha jogado tão mal. Mas, se vocês quiserem ficar na última, gostaria que o tio Luxa ou alguém me responda o porquê!

Gostaria de saber se o STJD vai pedir a fita do jogo para indiciar o senhor Fábio Costa pelo chute PROPOSITAL que ele deu nas costas do Léo Lima na hora do gol. Gostaria de saber também, se o juiz do jogo São Paulo x Vitória não vai ser afastado igual ao do jogo Vitória x Fluminense?

Agora é pensar na sul-americana na quarta-feira, com o Kléber gladiador em campo, pensando em quebrar uns dentes argentinos. Desta vez o buraco é mais embaixo, hermanos.



Grêmio

Juro por a+b=c que depois do 3º gol dos "impronunciáveis" contra os bambis do sul fiquei na torcida forte pelos outros bambis do sul contra o Figueirense. Por quê? Porque não queria aguentar a semana ouvindo que essa raça rosa virou líder, que são isso ou aquilo, além disso, teríamos um jogo no domingo contra os bambis azuis do sul e passaríamos eles de qualquer forma. Mas nem pra isso o time do Celso Hot presta. Pelo amor de Deus que time sem objetividade, padrão de jogo, sem jogada de perigo. E se não fosse a incompetência do Figueira, era pra ter sido uns 4x1 pro time de Floripa.


Agora é secar mais do que nunca o mal nos jogos que vêm pela frente, a começar pela Lusinha. Espero que se concretize o que um amigo me disse hoje: última rodada o Botafogo não aspira mais nada e vai entrar com o time reserva contra nós, por repúdio contra o Jardim Leonor pelo roubo na semana passada, e elas vão pra Goiás pegar o Paulo "matador de bambi" Baier. Já pensou na idéia!?

Excelente vitória, bambis, bambis II, Beluzzo e Gambás







Vitória suada

O time não jogou bem, foi muito marcado ou foi embolado no meio de campo pelo Goiás, mas os 3 pontos da partida deixaram e muito o time vivo na briga pelo título, só espero que pensem da mesma forma domingo conrta o Fish.


Bambis

Parem o campeonato e se quiserem dêem logo o titulo ao time do Jardim Leonor. O que foi aquilo? Aliás, sugiro também que o Botafogo faça uma sessão de descarrego, junto com a Lusa e ao Palmeiras num pai de santo de primeiríssima qualidade. Tem coisas que só acontece com esses três times, principalmente no que tange a arbitragem.

O pessoal já está percebendo:

Do blog Forza Palestra do meu amigo Ademir:


Coluna do Renato Maurício Prado - O Globo (31/10/2008)

"Já circula pela internet uma relação de 12 jogos em que o São Paulo foi beneficiado por erros da arbitragem. Continuo a não crer em complô mas começo a ser forçado a reconhecer que o clube paulista conta, no mínimo, com um 'respeito especial' por parte dos juízes. Por que será?" (...) "Aliás, gostaria de entender o motivo pelo qual Hernandes, do São Paulo, pode comemorar seus gols levantando a camisa e exibindo mensagem sem levar cartão amarelo, como recomenda a Fifa?"


Um dia vão desmascarar essa gente. Serão rebaixados - como aconteceu na Itália - por espírito anti-desportivo, por se utilizarem de expedientes outros que não a prática do jogo dentro das regras. Podem escrever.



Bambis II

Que linda a tão famosa cena da novelinha da Rede Bobo. Foi uma das poucas vezes que vibrei por algo desse lixo de emissora.

Sinopse: O motivo é que num certo momento, o ator Cauã Reymond dá um presente para a atriz Deborah Secco que está grávida. A mesma fica radiante ao abrir a caixa e ver uma roupinha do Corinthians para recém nascido e ambos na trama demonstram ser bem corinthianos.
Eis que o personagem Orlandinho, um homossexual assumido, se mostra nervoso com a situação e fala que a criança quando crescer tem o direito de escolher, mas ele prefere que o menino seja são-paulino.


Cena





Gambás

E para encerrar com chave de ouro trago esta sensacional frase da semana:


"Comemorar a ascensão do Corinthians para a primeira divisão é como fazer churrasco quando um primo é solto da cadeia. A gente compra a carne, a Cerveja, comemora, mas... dá uma vergonha de dizer o motivo da festa" - Antonio Roque Citadini