Páginas

Relato





Não tenho estado físico e tão pouco psicológico para relatar em palavras o que sentir nessa noite de quarta-feira. Prefiro relatar nas palavras de um menino o pouco do entusiasmo, amor, alegria, satisfação que sinto pela Sociedade Esportiva Palmeiras no dia de hoje. Como é incrível ver como o futebol consegue mexer com todos os sentimentos de um ser humano, e faço das palavras do Mauro Beting - ou seria do Veríssimo - que disse que não há um modo adulto de torcer por um time.


Te amo demais Palmeiras, ontem, hoje e sempre!


Milagre na hora do Gol

Lá estava eu, na minha cama escutando o jogo, aos 40 min do segundo tempo, quando o José Silvério aumentava a voz, eu me levantava, pulava e gritava.

Meu pai na sala, eu no quarto, com um dia especial em mente.

Quando a voz de José Silvério se altera, eu fico naquela espectativa, e de repente TUDO fica quieto, o mundo ficou quieto por 1 segundo para gritar o Gol do Verdão.

Quando me levanto e o silencio passa, eu escuto a voz dele assim: Gool!

E que GOLAÇO!

Puta que o pariu, você deve pensar, putz um menino nessa idade nao consegue sentir oque eu senti na hora.

Errou, na hora que ele falou "Gol", eu pensei em chorar, rir, gritar; abri a janela (moro em condomínio), e gritei ate minha garganta não agüentar, de tao áspera que ela ficasse.

Quando viro para trás, meu pai na porta, com um grande sorriso olhando para mim.

O que eu fiz? Corri para o abraço como se eu tivesse feito o Gol no jogo.

Abracei ele e desmoronei; não parei de chorar, depois sentei na cadeira do computador e comecei a enxugar as minha lágrimas quase que secas em meus olhos.

Quando fiquei em silencio, escutei minha mãe no quarto dela (que ja estava pronta para dormir), falar assim: Esse já é um Palmeirense de verdade.

Logo depois fui para a sala assistir com o meu pai o final da partida, nós na espectativa de acabar logo o jogo, quando a bola vinha para a área nós falávamos parecendo combinado: Tira, tira, tira!

Quando o juiz apita, não sabia oque fazer, corri no corredor em direção da minha mãe, e fiquei uns 2 minutos abraçado com ela na cama, eu só chorando e ela falando:

- Que presentão, hein?

Depois disso beijei um simbolo lindo, o mais conhecido dessa comunidade, o do NOSSO VERDÃO.

Ahh, sabe porque minha mãe que disse que presentão?

Porque hoje, dia 30 de Abril de 2009, eu completo maravilhosos 13 anos de idade.

E o Palmeiras me dando essa emoção de ser Palmeirense, no meu dia mais querido.

Desculpa qualquer coisa.




Via Twitter





Caros Carcamanos, hoje acompanharemos o jogo via Twitter. Ficaremos com um olho na tv e outro na net.

Juntamente com o Blog Parmerista estaremos nessa empreitada dinâmica e interativa. Clique aqui para entrar no Twitter Parmerista.

Para acompanhar os comentários do Carcamanos "follow us" clicando no banner abaixo.


Para participar em mandar seus cometários use a tag: #Palmeiras


Quebra tudo Verdão!!!!!!!!





Saiba mais sobre o Twitter

Futebol para as bonecas





39 minutos de jogo, primeiro jogo da finalíssima mineira, Cruzeiro arranca para o contra-ataque, Wagner da um passe de calcanhar e Kléber de rasteira alá Sub-zero faz o primeiro gol da goleada posterior de 5x0 na decisão. Na comemoração o ex-palestrino sai comemorando batendo as asas em alusão ao mascote (galo) do arqui-rival Atlético. Pronto. Está jogado o álcool no incêndio da imprensinha. "Kléber mal-caráter", "Kléber incitou a violência", "TJD mineiro vai analisar comemoração de Kléber", "Kléber pode pegar gancho pesado" e mais um monte de hipocrisias dos senhores almofadinhas que nunca jogaram a porra de uma bola na várzea, nunca arrancou o tampão do dedão, nunca enfiou um belo chute pra foder todo os dedos no meio fio, nunca bateu peito a peito numa discussão de rua.

O Futebol está virando uma bichice só!

Agora Kléber, antes Diego Souza, que até a expulsão contra o Santos não tinha feito absolutamente nada com o Domingos, apesar de ambos não terem dito um para o outro, cara-a-cara, que é feio, bobo, chato e cara de melão.

Porque esse tipo de coisa na Libertadores é ponderado e aceitado, mas quando entra nas terra Tupiniquins vira essa viadagem - assim mesmo com "i", como o manual do futebol da várzea pede - toda.

Futebol é falado, é chingado, é tudo, menos fresco e quieto como os senhores que tomam conta da mídia e da justiça desportiva querem.

Se você um dia quiser saber como é um jogo de futebol por dentro, recomendo duas opções: ou você vai para o campo de várzea mais perto da sua casa, onde numa manhã/tarde de sábado/domingo 22 senhores mais reservas vão deixar de ser motorista, office boy, carteiro, faxineiro e vão virar o centroavante, zagueiro de seu time do bairro, da rua, do prédio ou da firma. No campo não tem essa do status social prevalecer, é cada um por si e todos em pró do time em questão. Mas se o senhor ou senhora quiser acompanha uma partida oficial, com súmula, juiz, torcida e um estádio de verdade, vá ao primeiro estádio acanhado e pequeno perto da sua casa e acompanhe no alambrado como é uma peleja dentro de campo. Recomendo o campo do Juventus na gloriosa Rua Javari para sua epopéia.

Portanto meus senhores, pelo bem do futebol punem àqueles que querem estragar o futebol dentro e fora dos campos, àqueles que têm o poder da escrita nas mãos e fazem jus dela em pró de um outro time recalcado e àqueles que pedem o rejulgamento 5 vezes de um atleta até obter e punição que queria.

Aos jogadores com personalidade de um Kléber, Paulo Nunes e Viola que estejam lendo isso: o futebol precisa de hombridade dentro de campo, de jogadores com colhões para os jogos onde o bicho pega, não peço brigas mas se elas vierem que não se fuja como mocinhas atrás do papai. Futebol é coisa séria e deve ser tratada como tal.

Basta de hipocrisias e frescura no campo de batalha. Digo e repito que futebol é para àqueles que têm espírito de luta, dedicação, raça, suor, colhões, técnica e acima de tudo, hombridade. Sem isso ele está ficando chato ver os robôs em campo regidos pela normas da ética dos tribunais e da imprensinha.


Abaixo algumas respostas do Kléber às picuinhas daqueles que querem apequenar os certames.


"Tenho nada para falar em relação a isso, não. Acho que da próxima vez que fizer um gol, vou pedir desculpas ao goleiro, porque não pode comemorar mais. Se levanta a camisa, toma cartão, se comemora, toma cartão. Vou pedir desculpas."

"Antigamente, o Viola imitava porco, o Paulo Nunes colocava máscara, e eu adorava isso. Todo mundo adorava. Eu tenho certeza. Todos nós que temos nosso time de coração gostávamos. Era a alegria do futebol. Hoje, todo mundo se sente ofendido, fica com raiva. É cartão, é polêmica. Acho uma coisa muito chata."

Não tive a intenção de humilhar ninguém. Se alguém se sentiu humilhado, peço desculpas. Fiz porque eu tinha combinado com amigos atleticanos que se eu fizesse um gol ia comemorar daquele jeito. Se perdesse eu teria um castigo. Fiz só para comemorar e brincar mesmo.

"Respeito muito o Atlético. Tenho amigos lá e são amigos de coração mesmo, de infância. Amigos com quem convivi desde criança. O Renan, Diego Tardelli, o Carlos Alberto. Conheço os caras, tenho muito respeito pelo Atlético, pela torcida do clube."


A torcida do Galo não viu da mesma forma. No site de relacionamentos Orkut, torcedores expressam sua indignação e fazem campanhas para que jogadores atleticanos persigam Kléber em campo no próximo domingo. Torcedores teriam, inclusive, descoberto o endereço do jogador.


"Não tenho nada a temer. Não matei e não roubei. Fiz um gol e comemorei. É proibido fazer o que você gosta? Respeito todo mundo. A gente vê muito disso na internet. No Palmeiras, quando fiz gol no São Paulo, alguns torcedores fizeram alguma coisa assim porque joguei lá. Sempre vai ter alguém que se sentiu desrespeitado. Sei que o Atlético é grande."

O porquê Porco





O site Futepoca publicou nesta segunda-feira o aniversário de 40 anos do porquê de nosso glorioso Palmeiras ter apadrinhado o porco como apelido. De glorioso a história não tem nada. Apesar dessa versão ainda necessitar de um carimbo oficial, é a que circula pela grande rede a anos e nos papos de boteco também.

Não concordo com a atitude do Verdão, claro que se for verdade a história em questão (acredito que sim conhecendo a época em questão). Em momentos difíceis como esse deve-se deixar a rivalidade de lado e trabalhar com o bom senso e companheirismo, mesmo tratando-se de um rival.


Para matar sua dúvida segue abaixo o post com boas imagens do Futepoca.


Palmeiras virou porco há 40 anos


No dia 28 de abril de 1969 ocorreu um fato lamentável que teria como efeito colateral o "batismo" da Sociedade Esportiva Palmeiras como "porco". Depois de empatar por 1 a 1 com o São Bento, no Estádio Humberto Reali, em Sorocaba (SP), o Corinthians retornou à capital paulista. Do Parque São Jorge, os dois maiores destaques do time naquele Campeonato Paulista, o lateral direito Lidú (22 anos) e o ponta esquerda Eduardo (25), resolveram comer uma pizza nos arredores do Canindé, o estádio da Portuguesa. Mas não chegariam ao restaurante: na Marginal Tietê, Lidú perdeu o controle de seu Fusca, que chocou-se violentamente contra uma das pilastras de sustentação da ponte da Vila Maria (foto acima). Os dois morreram na hora.

Corinthians, 1969. Em pé: Ditão, Luís Carlos, Dirceu Alves, Pedro Rodrigues, Lidú e Lula. Agachados: Paulo Borges, Tales, Benê, Rivellino e Eduardo

Daí, veio a confusão que acabou por acirrar definitivamente a rivalidade entre corintianos e palmeirenses. Como o Paulistão já estava no returno e o prazo de inscrições de atletas havia se encerrado, a diretoria do alvinegro tentou, na Federação, uma autorização especial para inscrever dois novos atletas. A FPF convocou todos os clubes para uma reunião extraordinária, colocando em votação a pretensão corintiana, com a condição de que essa aprovação teria que ser unânime. Não foi: somente o presidente do Palmeiras, Delfino Facchina (à esquerda), votou contra. O que motivou o presidente do Corinthians, Wadih Helu (acima, à direita), a chamar os palmeirenses de "porcos". Foi a senha para a torcida do Corinthians.

Na partida seguinte entre os dois times, os alvinegros soltaram um porco no gramado do Morumbi antes do início do jogo. Enquanto o suíno corria, assustado, os corintianos entoavam o coro de "Porco! Porco!". Isso virou uma provocação intolerável para os palmeirenses até as semifinais do Paulistão de 1986, quando o alviverde goleou o rival por 5 a 1 e sua torcida resolveu assumir positivamente o "porco". Durante o jogo, os palestrinos inventaram uma versão para o grito dos dinamarqueses na Copa do México: "Dá-lhe Porco/ Dá-lhe Porco/ Olê-olê-olê". Desde então, o Palmeiras assumiu oficialmente sua identificação suína, após 17 anos de azucrinação corintiana.

Cerveja e sinuca uma semana antes do acidente, no Sambarthur, ponto de encontro de boleiros da época na Vila Maria: a partir da esquerda, os corintianos Décio, Lidú, Arthur (dono do bar), Lula, Eduardo e João Carioca.

Como dói a alma...





Kléber: "Eu amo o Palmeiras. Saí porque não me deixaram ficar"


Pelo amor Deus tragam esse cara o mais rápido possível. Só falta ele implorar pra jogar de volta pelo Palmeiras. Se é média ou não eu não sei, e aliás não importa. Pois se teve um cara com colhões nesses últimos anos, esse cara junto com o Diego Souza e Marcos foi um dos poucos.

Volta Kléber, pelo bem de uma torcida reféns de bundões quando a coisa aperta, não é senhor K9.

Acompanhe a entrevista completa clicando aqui.


Admirável mundo novo





Já passou do tempo onde as reclamações se estidiam apenas nas arquibancadas. Hoje temos os sites em tempo reais, blogs, fóruns, sms, messengers e o mais atual deles o Twitter. O hiato entre a informação e o tempo que ela leva até nós diminuiu profundamente, principalmente, no que tange (olha que expressão supimpa) sua gama diária do que presta e não presta. Essa leve e tosca introdução a nível de (aff) 1nh0 foi só pra levar até vocês a maior proximidade que nós pobres mortais temos de cobrar e aconselhar nosso "querido" técnico.

Na tarde dessa segunda-feira ajudado por um amigo acabei achando o Twitter do nostro Luxemburgo. Isso mesmo, se o senhor tem alguma sugestão e crítica ao nosso comandante sua chance é agora. Claro que se levarmos em conta que seja real o link em questão.

Mas não custa nada tentarmos, né!


Caros Carcamanos, para visualizar e acompanhar nostro técnico clique aqui.

E para acompanhar o Twitter dos Carcamanos, clique no banner abaixo.

Uma no cravo...





Carta aberta ao Juca Kfouri
Por THALLES GOMES

Sabe o que eu mais gosto no futebol, Juca?

Do nome dos jogadores.

Dos goleiros, o que mais gosto é Vermelho, aquele negro monumental com seu bigode irretocável que antes de todo jogo chutava as duas traves com tanta força que fazia tremer a trave do adversário.

Tem também o Pantera e suas pontes incríveis.

O Índio e sua cara de poucos amigos, um legítimo descendente Caeté.

E se o adversário tinha um xerife na zaga, o meu tinha o Major.

Fazendo dupla com ele, o gigante Ben-Hur.

E pra acalmar o ânimo dessas duas feras, só o pulso firme do Rosas.

Do meio para frente então, nem se fala.

Numa das pontas, o Canhoteiro e seus chutes fulminantes.

Na outra, o endiabrado Cão. Isso mesmo, Cão. O alegre e brincalhão Cão.

Se o desespero batesse, a torcida chamava pelo Jerônimo.

E contra a manha do Catanha, o faro de gol do Inha.

Pra acabar com qualquer retranca, nosso arma é o Milton Tanque.

Como assim, Juca?

Você nunca ouviu falar nesses jogadores? Pois posso lhe confirmar que todos eles existiram. Alguns deles estão inclusive em atividade.

E olhe que eu nem falei do melhor de todos. Nosso craque rebelde. Que carrega no nome a sina de sua terra.

Canaviera.

Canavieira artilheiro do estadual de 1970.

Canavieira que balançou a rede do todo poderoso Santos do Rei Pelé no Brasileiro de 1972.

Canavieira que nasceu no segundo menor estado do Brasil, com o segundo pior Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil e com a segunda maior produção de cana-de-açúcar do Brasil.

Estou falando de Alagoas, Juca.

Todos os jogadores que citei passaram pelo futebol alagoano.

É bem possível que você nunca tenha ouvido falar deles.

Mas isso não tem a menor importância.

Eu ouvi. Alguns eu vi jogar.

Eu e milhares de alagoanos.

Que nunca vamos ser campeões brasileiros.

Que nunca vamos disputar uma Libertadores.

Não porque não temos bons jogadores. Temos muitos e bons. Tem um deles que fez gol no todo poderoso Barcelona e decidiu o título do Campeonato Fifa Interclubes.

Tem uma delas que foi escolhida por três vezes seguidas a melhor jogadora do mundo.

Nós nunca vamos ser campeões brasileiros, Juca, porque somos o segundo menor estado do Brasil, com o segundo pior Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil e com a segunda maior produção de cana-de-açúcar do Brasil.

Mas a beleza do futebol é que você nem sempre precisa ser campeão.

Basta ganhar vez ou outra de algum desses times do Clube dos Treze.

Pra fazer alguma justiça histórica. Nem que seja somente dentro de um campo de futebol. Nem que seja por míseros noventa minutos.

Por isso, meu caro Juca, não é "uma vergonha" o CSA ganhar do Santos em plena Vila Belmiro.

Pelo contrário.

É uma beleza!

Mea culpa





Se a toda poderosa dos papéis que se embala peixe em feira teve seu momento sandálias da humildade, por quê esse mero blogueiro e amante do futebol não pode ter o seu. A mea culpa é em relação ao monstro, craque, gênio do futebol mundial: Ronaldo, o pegador de traveco.

Olha, eu jurava que ele vinha para o rivale apenas pra sugar o suadinho dinheiro deles e fingir que joga pra eles fingirem que pagam. Mas, esse pobre mortal esqueceu de duas coisas simples, mas fundamentais: quando Ronaldo quer ele consegue e esse cara pode estar gordo ou caralho que for, mas ainda é um gênio jogando bola.

E é por esses simples e singelos parênteses, ora esquecido por mim, que dou meus parabéns ao SCCP pela belíssima aquisição de 2009. Ronaldo ainda é um gênio nas 4 linhas, é um motivador de casa cheia no meio de tantos cabeças de bagres metidos a craques e pseudo-craques. Em terra onde ousaram chamar Kléber Pereira, Thiago Neves, Keirrison, Neymar (bicicleteiro de academia: pedada, pedala e nao sai do lugar), Washington, Nilmar de craques ou aspirante a tal, vemos um autêntico filho da puta que tem um dom incrível de fazer aquilo que poucos nesse mundo conseguem ou conseguiram: marcar gol com simplicidade de um bailarino e a complexidade de um mito.

Parabéns, Ronaldo por tudo que você é e representou ao futebol. Mesmo que essa geração Winning Eleven tenham um dia feito o sacrilégio de te afundar de vez, de te comparar a Ibrahimovic, Cristiano Ronaldo, Messi e o pior de todos Ronaldinho Gaúcho desse mundão afora. Aliás, esse último dá dó de ver em campo, um dia comentávamos numa roda de amigos se esse peso morto poderia se encaixar como um dos gênios do futebol mundial, doce ilusão. Esse cara que foge do jogo fácil, do placar faturado me envergonha de dizer que um dia foi comparados a qualquer gênio.

Mas, o mundo dá voltas. Nunca nos esqueçamos!

Eu lamento que em pouco tempo, desses meus 25 anos de vida pude acompanhar com afinco o futebol desses pouquíssimos gênios da década de 90 pra cá. Pude ver o meio/fim do brilhante Romário, do monstro Rivaldo (valeu pela correção, Rafael) e do maestro Zidane. Uma pena. Mas pelo bem do amor que tenho pelo futebol, vi milagres históricos, partidas memoráveis (Manchester United e Bayern Munich), jogadores que escreveram de formas fantásticas ou hilárias (gol do Belletti na final da Liga da Uefa) o nome nesse esporte apaixonante.

Termino aqui sugerindo que esses pseudos-craques que um dia almejam chegar a 30% do que foi Ronaldo, Zidane, Del Piero, etc ralem muito, mas muito, e tenham a mera e formal humildade de assumir os erros, corrigir os acertos e batalhar com suor e sangue quando o time mais precisar. Assim, formamos os ídolos, assim formamos o amanhã do futebol.


Parabéns Ronaldo.

Parabéns Corinthians, por esse gênio que ostenta essa tradicional camisa número 9.




Ps.: Caricatura de Sérgei Cartoons

Jogo das Barricas II





Em 2009 será realizado o segundo encontro para relembramos um dos maiores erros dos rivais de São Paulo. Só que dessa vez não vamos negar ajuda para as meninas saltitantes, vamos nos retratar da nossa 'arrogância' e as ajudaremos mais uma vez. Desta vez, a segunda peleja arrecadará fundos para ajudar as meninas do Jardim Leonor em uma das três fontes solidárias: ajudar a saldar sua dívida com o INSS, doar ao Estado para construir um estacionamento para o elefante branco ou se ajudamos a pagar o tratamento da Borboleta Rosa 01 (essa é do Ademir) já que o Reffis não recupera ninguém.

O dia é 16 de maio e o local só será confirmado por e-mail (cruzdesavóia@gmail.com), já que as menininhas já estão putinhas. Coisa de mulher que estão naqueles dias... Coisa de puta mesmo, manja!?

Não se esqueçam, é dia 16 de maio.

Tragam suas moedas.


Mais informações em um dos quatro blogs abaixo:

Cruz de Savóia
Chuta que Macumba
O Mosqueteio e sua Cachaça
Forza Palestra do Barneschi

Prova dos 7 com o animal Diego Souza





Apesar da pequena bobeada com duas das 7 perguntas, onde qualquer torcedor poderia ter errado, o craque do Verdão mandou muito bem nas respostas e por poucos não poderia ter alcançado a liderança do jogo da Globo.com (ele ocupa o 3º lugar com Nilmar e Juninho do Botafogo).

Parabéns Diego. Que sirva de lição aos demais jogadores que a história de um clube é um dos caminho para amá-lo.


Leitura obrigatória





O começo de um projeto, mesmo àqueles que nem eram identificados como um projeto é sempre difícil, requer tempo e dedicação. O projeto da Mídia Palmeirense, mesmo não sendo enquadrado em algo tão amplo e que tomasse grandes dimensões, incomoda a muitos da imprensinha. Incomoda sim que eu sei!

No começo era difícil ir atrás de bons textos, boas histórias, fotos, dados, etc. Hoje podemos desfrutar de sites, blogs e semi-portais, nos quais navego diariamente para acompanhar meu Verdão. E para o colírio de todos e menos esforços dos meus dedos em divulgar os trabalhos via internet, temos muitos e muitos sites que nos proporcionam excelente qualidade dos conteúdos em pró do Verdão, e que me impede de ir (tentar) buscar em sites desmascarados como prejudiciais.

E é pensando assim, que recomendo (mais) um magnífico texto do amigo Barneschi do Forza Palestra.

Parabéns pela perfeita relação das palavras e idéias, que nesse brilhante texto expõe por A+B as putinhas do Jardim Leonor e sua corja de defensores da modernidade!

Esmola midiática

1938. O SPFW, clube da elite quatrocentona e resultado de uniões espúrias na primeira metade do século passado, vai à falência já em seu terceiro ano de vida. Como os tempos eram outros, os rivais Palmeiras e SCCP cometem um erro histórico irreparável: organizam um jogo para arrecadar fundos que pudessem manter em atividade o ‘co-irmão’ falido.

Foi o Jogo das Barricas, assim denominado porque os presentes ao tenebroso espetáculo deixavam sua contribuição em barricas instaladas na entrada do estádio. Porfírio da Paz, torcedor-símbolo, autor do hino oficial que ninguém sabe cantar e ocupante de tantos cargos públicos nas décadas de 40 e 50, não se conteve: com uma bandeira estendida, caminhou por entre as torcidas para pedir esmola.

Quatro anos depois, esta mesma gente oportunista tentaria roubar a nossa casa e efetivamente tomaria o campo do então Germânia, obrigado que foi a virar Pinheiros. Depois vieram a venda fraudulenta para a Portuguesa, a doação de um terreno público no Jd. Leonor, os anos de Adhemar de Barros e Laudo Natel, o dinheiro do povo indo para uma obra privada e tudo mais que os senhores conhecem.

Corta para 2009. Como não se muda a genética oportunista de uma sub-raça como a que sustenta o SPFW, os bandidos de agora são os descendentes diretos daqueles de décadas passadas. O que muda é a situação. O SPFW tanto fez que conseguiu perder o seu principal inquilino, o SCCP, que antes tinha o costume de alugar aquele antro maldito e deixar alguns trocados nos cofres leonores. Foi assim por muitos anos, até que ninguém mais conseguisse conviver com a empáfia, a desfaçatez e a alienação da escória bambi.

O ponto de ruptura se deu quando as bichas resolveram descumprir um acordo de cavalheiros, que previa todos os clássicos contra o SCCP na casa delas (vejam só!) com ingressos divididos pela metade e renda idem. As conseqüências já se desenham no horizonte, e não demorou para os leonores perceberem que o prejuízo pode ser enorme, em especial porque eles se dedicam agora a transformar em centro consumista o que já foi um estádio de futebol.

Para sustentar uma estrutura assim, exige-se consumidores, quaisquer que sejam eles – o bolso não distingue alma ou cor de camisa. Com o boicote de SCCP e Palmeiras (que já não manda jogos ‘normais’ por lá desde 2000), a estratégia ficou comprometida, de tal forma que é preciso novamente cooptar recursos financeiros de terceiros para manter um elefante branco que vive às moscas.

Mas ninguém mais precisa se prestar ao papel de um Porfírio da Paz e sair mendigando uns trocados por entre a multidão. Há táticas mais discretas – e eficientes: a esmola agora é midiática, à base de manipulação da opinião pública. Se antes tinham o Estado como aliado, agora os bambis desfrutam do amparo de uma crônica esportiva pervertida, perdida em sua falta de princípios e entregue a uma sórdida agenda de destruição.

É então que os senhores todos convivem diariamente com discursos vazios, produzidos não com alguma base empírica ou cognitiva, mas com o simples propósito de inventar uma realidade paralela, que é logo aquela que interessa aos cofres leonores. Funciona assim: “O Morumbi (sic) é o único estádio que presta e todos os demais devem ser implodidos”. Direto e reto, sem que se faça necessária qualquer argumentação - e a imprensa deixa passar.

Não à toa, portanto, uma figura da estirpe de JJ Scotch Whisky é capaz de sugerir a implosão do histórico Pacaembu, o mais belo e aconchegante estádio desta metrópole. E faz isso não por ter ingerido algumas doses a mais em uma noite solitária, mas simplesmente por carregar a genética suja dos oportunistas.

Há os que produzem esse discurso: são os pervertidos da mídia esportiva. E há os que, por má intenção, desinformação ou pura ingenuidade, compram e passam adiante a falácia: pronto, manipulou-se a opinião pública. (Por sinal, cabe observar que muitos dos nossos maiores veículos de comunicação mantêm relações não muito claras com o clube do Jd. Leonor, o que inclui publicidade institucional em pontos diversos do estádio.)

O discurso vazio dos leonores tem lá as suas variantes, que proliferam em épocas como esta, de grandes jogos e decisões entre clubes populares. Alguns exemplos:

“É preciso pensar na segurança do torcedor e levar todos os clássicos para o estádio mais seguro”.

“É hora de os clubes ganharem dinheiro, e o jogo precisa acontecer no maior palco, com mais renda”.

“Temos que pensar no conforto do torcedor comum”.

O Morumbi (sic) é um campo neutro.

Estes acima são os argumentos genéricos, mas é sempre bom lembrar que estamos lidando com mentes tão criativas quanto malignas, e elas são moldadas por Casares, o maqueteiro do mal. É então que surgem as muitas tentativas de manipulação: a farsa do gás, a simulação de Bosco Pilha, o caso do Barril de Pólvora e os tantos protestos infundados. E dá-lhe discurso adaptado:

“O Parque Antarctica (note que eles nunca falam em Palestra Itália, talvez por vergonha do passado sujo) não oferece segurança para receber um clássico”.

O Pacaembu é um estádio antigo e precisa ser implodido.

A Vila Belmiro é muito acanhada para jogos importantes.

A verdade, meus caros amigos, é que as bichas entraram em desespero e resolveram pedir esmola. A imprensa já está fazendo a sua parte e começou bem cedo. Começo por sugerir a matéria publicada na FSP de 08/04/2009, sob o título "Clubes ignoram o caixa por palcos das semifinais".

A reportagem, em tom crítico, questionava Palmeiras, Santos FC e SCCP, que resolveram mandar os clássicos em suas respectivas casas. Alguns trechos relevantes:

"Recusado por rivais do São Paulo, Morumbi é o campo mais rentável do Paulista."

"O estádio são-paulino, classificado pelos rivais como não sendo um campo neutro, é mais rentável do que as arenas onde Corinthians, Palmeiras e Santos vão exercer seus mandos."

Para afirmar isso, os repórteres simplesmente desprezam o fato de os clubes todos terem de pagar aluguel para o SPFW se decidirem mandar os jogos por lá - não por acaso, pois o objetivo é exatamente permitir que isso continue acontecendo.

Aí é um tal de número pra lá, estatística pra lá, percentuais sendo enfiados pela goela do leitor mais desavisado. Até que o tal Jesus Lopes faz o papel que já foi de Porfírio da Paz e resolve lamentar a fuga dos inquilinos: "Já que o futebol é um esporte profissional, o objetivo é ter arrecadação compensadora para subsidiar os custos do time. Um momento como este, uma fase decisiva, com os clubes com maior capacidade de arrecadação, e eles abrem mão disso"

Notaram o desespero? E o tom de matéria paga?

Nos dias seguintes, a Folha (e outros menos cotados) deram suas estocadas aqui e ali, com críticas severas aos clubes que, vejam o absurdo!, resolveram exercer seus mandos de campo nas respectivas arenas. Da edição de ontem, 21/04/2009:

Título: "Desavenças apequenam decisão do Paulista-2009"

Linha fina: "Conflitos entre dirigentes tiram Morumbi da disputa por título, que será na Vila Belmiro e no Pacaembu com preços majorados por clubes"

Última frase: "Não é o que mostra levantamento da Folha, que apontou o estádio são-paulino como mais vantajoso financeiramente."

E assim vai seguir o desespero das moças leonores. É de se esperar que, 71 anos depois, ninguém mais cometa o mesmo erro.

O QUE ERA PARA SER E NÃO FOI...


Era uma vez uma partida decisiva em um sábado ensolarado onde tudo que poderia dar errado, deu.

Pra começar, o grandioso Alvo Verde ia ganhar do peixe, jogar a final contra a gambazada e ser Campeão Paulista de 2009. Porém, isso não aconteceu.

A começar do técnico... O tão alvejado Luxemburgo deveria falar um pouco menos e fazer um pouco mais. Obviamente, não aconteceu!

Jogadores acomodados deveriam manter seus pés fora de campo! Mas lá estava Capixaba, a negação do bom futebol, Evandro, completamente ausente, Keirrison, que acredito ser um bom jogador, porém a aparente eminência de um contratinho milionário tem resultado em completa inutilidade em campo, Jumar, que literalmente não fez NADA...

O técnico santista Vágner Mancini deveria ter sido um pouco mais profissional e não ter entrado em uma discussão infeliz com Diego Souza, e muito menos colocado seu subordinado Domingos para provocar o jogador palmeirense.

O esforçado Diego Souza tinha que ter mantido o controle da situação e nunca poderia ter agredido o jogador santista, que conseguiu exatamente o que queria!

O arbitro Sálvio Spínola Fagundes Filho deveria ser escolhido para atuar somente em jogos pequenos e irrelevantes! Continua a colecionar erros e exageros...

O folgado e arrogante goleiro Fábio Costa deveria ter ficado bem quietinho e não ter enfrentado a torcida palmeirense.

Resumindo, o time do Palmeiras deveria ter superado o resultado do primeiro jogo e ter goleado o time do Santos para garantir a vaga na final. Porém jogou mal e não fez por merecer a oportunidade de batalhar pelo título de Campeão Paulista de 2009.

O único fato que era esperado e realmente aconteceu foi a presença em massa da linda torcida palmeirense, que compareceu em peso, fez presença, e torceu até o fim!

A esperança agora é a Libertadores, e sinceramente desejo que aquilo que é esperado dessa vez aconteça!

Às vezes desprezo os seres humanos






Sinceramente não consigo compreender, já que entender já não faz parte do meu dicionário faz tempo, como alguém pode tirar a vida de alguém sem mais nem menos. Sem as consequências éticas e morais que circundam os seres humanos. O vídeo a seguir vai muito além do conflito Israel-Palestina, se estende ao que pensamos do próximo. Seja ela palmeirense (como o palestino com a camisa verde-limão) ou de qualquer time, etnia, religião, nacionalidade...


Somos seres humanos acima de tudo!


Drops






PERIQUITO VERDE: Um belo exemplar desse pássaro me contou (e depois foi postado lá no Orkut) que que parceria Samsung-Palmeiras está de as mil maravilhas. Esse pássaro esteve com um amigo 'irmão', que é diretor do conjunto aquático do Palmeiras, e que revelou que a empresa sul-coreana de pronto, colocou 58 computadores nos departamentos do clube, faz reuniões periódicas com o Belluzzo, tentando ajudar de alguma forma, reformou parte dos camarotes do Palestra, além de ter distribuído mais de 20.000 bandeirinhas no jogo contra as putinhas do Nordeste, fez uma excelente campanha com a mídia palmeirense na divulgação do seu novo celular SCRAPY e SERÁ PARCEIRA NA CONSTRUÇÃO DA ARENA, COLOCANDO TVS DE PLASMA NOS 250 CAMAROTES QUE TEREMOS, ALÉM DO PLACAR ELETRONICO QUE SERÁ NO ESTILO EUROPEU.
Isso que é patrocínio só espero que perdure durante muitos anos.


PERIQUITO VERDE II: Esse mesmo periquito lançou que logo após o término do contrato com a Suvinil, a Fast Shop será a nova patrocinadora das mangas e nos calções dos uniformes do Verdão. A Fast Shop é maior cliente da Samsung aqui no Brasil e foi uma exigência da mesma na assinatura do contrato, cujos valores ainda não divulgados. Minha fonte pediu cobrança em 15 dias. Agora é esperar pra ver.


INGRESSOS: Nota Oficial

Os torcedores que adquiriram ingressos através do pacote para os três primeiros jogos do Palmeiras em casa, pela Copa Libertadores, não precisarão efetuar as trocas com antecedência, ao contrário do que aconteceu na partida contra o Sport.

A diretoria do Palmeiras conseguiu junto à BWA, responsável pela comercialização dos antigos ingressos, duas catracas exclusivas, que estarão posicionadas nas duas entradas do estádio Palestra Itália, pela avenida Francisco Matarazzo e pela rua Turiassú.

Portanto, o torcedor que adquiriu os ingressos pela promoção não precisará efetuar qualquer tipo de troca, e sim se dirigir diretamente às catracas exclusivas posicionadas nas entradas do estádio citadas acima. Nesse pacote promocional, foram vendidos antecipadamente 3 mil ingressos.

Assessoria de Imprensa S.E.PALMEIRAS


TWITTER: Nos acompanhem lá também. basta clicar no banner abaixo


Definindo grandeza em momentos pontuais






Após o jogo da última quarta não sabia o que pensar do time, da partida, do K9, Luxa, torcida, espaço Visa ou qualquer coisa que gerasse conflitos de opiniões. Confesso que foi um misto de vários sentimentos, dentre eles, impotência (sem maldade nenhuma, nesse quesito estou muito bem, obrigado!), ira, frustração e revolta.


Li e reli vários textos da Mídia Palmeirense, opiniões nos fóruns e com meu próprio subconsciente. Cheguei a cornetar até quem não merecia. Pois bem, depois do jogo, já com a cabeça fria achei esse espetacular texto postado na Comunidade do Palmeiras no Orkut pelo Richard Meckien. Texto esse, que é a definição clara e objetiva do que grande parte da torcida, para não dizer todos, ainda sente ou sentiu antes, durante e depois da partida.


Vale a pena dar uma conferida. E como diz o texto no final: E agora pensemos no Santos.



Meu sentimento de frustração com relação ao jogo de ontem está inserido num contexto de inconsciente coletivo da torcida palmeirense, então seria no mínimo redundante eu me expor individualmente com relação a isso. Aliás, muito do que estará escrito aqui provavelmente será muito descartável... mas eu não conseguiria ficar de consciência limpa se não confrontasse algo que li ontem na comunidade e que me chateou profundamente.

Durante o jogo contra o Sport eu não consegui arrumar tanto argumento para justificar as reclamações mirabolantes que surgiram depois. No primeiro tempo eu achei que não fomos nada mal... apenas concordo que nosso erro foi não ter marcado o segundo gol logo, para deslanchar. Na verdade FIZEMOS o segundo e ele foi mal anulado. Ainda assim, a nossa proposta de jogo nos deixou com a bola nos pés e dominando os ataques. Atrás, a defesa não precisou trabalhar e no meio de campo estávamos ganhando disputas de corpo. Numa fatalidade de último minuto e de irritante mesmice em jogada aérea, tivemos o nosso calcanhar de Aquiles explorado: bola alçada e ninguém consegue abafar. Foram DOIS bate-e-rebates dentro da área e a sobra aconteceu com uma sorte absurda, que resultou em gol. Esse erro anunciou o que seria o resto do jogo ? Bastante... mas daí a generalizar esse lance como motivo para dizer que o Palmeiras jogou mal é o fim da picada. No segundo tempo o Sport abdicou de passar a linha que divide o campo e o jogo ficou completamente amarrado. Não lembro de o Marcos ter tocado na bola para praticar defesas... e no ataque caímos na tática recuada deles, fato atrelado à perda das nossas chances de ataque.

Num estilo de jogo como o do segundo tempo é difícil pegar um jogador e dizer: "foi mal" ou "foi bem". Não houve desistência da parte de ninguém e, até certo ponto, nem nervosismo. Começamos a errar uns passes bestas bem no fim, quando já parecia que a pressão não surtiria efeito. Mas não reclamo taticamente de ninguém. Não sobre ontem.

Eu li muito sobre o Keirrison essa semana e também após o jogo. Eu também tenho minha chateação sobre ele. Não é a respeito de sua performance. Que o cara é bom eu não tenho dúvidas. Apenas acho que (e isso foi explicitado muito no sábado e ontem) ele não está no mesmo nível de entrega ao time de muitos outros jogadores. E isso não está ligado ao fato de não acertar finalizações, mesmo porque ele marcou nos dois jogos. Está ligado ao fato de não parecer ter vontade (ou capacidade) em dividir algumas bolas e multiplicar o ânimo da equipe. Se ele conseguir superar isso, unirá sua força de finalização ao estilo de jogo coletivo, passando a ser peça ainda mais importante.

Um resultado inesperado costuma me ser dolorido em dois intantes: ao fim do jogo, se percebo que o resultado não refletiu exatamente o que foi a partida, e quando leio tópicos pós-jogo, notando uma necessidade de alguns em maldizer tudo e todos quando não houve uma vitória. Se eu tinha um limite de aceitação dessas "cornetagens", ele foi ultrapassado quando eu li ontem que não adiantaria o Palmeiras passar para as oitavas-de-final por ser o "Mogi Mirim das Américas". Não me entra na cabeça até agora o fato de o autor dessa frase se dizer palmeirense.

Antes de mais nada a declaração é um desrespeito com o Mogi, time pelo qual eu não tenho simpatia alguma, mas ao qual sei dar o devido crédito. Que os times do interior possuem condições menores de investimento e de transformá-las em títulos não é novidade para ninguém. Portanto usar um rótulo de pequenez e ainda empregar isso como arma para tirar chacota de outro time (no caso, o Palmeiras) é ferir ambos os lados. Ao mesmo tempo, existe essa constante perseguição em julgar a dimensão do Palmeiras a cada jogo. Há sete dias vencemos o Sport jogando da maneira que a Libertadores pede: sem o uso constante da habilidade técnica e utilizando muita força. Éramos os maiores do Brasil. Ontem empatamos um jogo em que voltamos a ser um time mais "de Luxemburgo" e não tanto "de Libertadores. Viramos o Mogi.

Talvez seja uma questão de diversão ou de precisar extravasar o stress, eu não sei. Mas, colocado num local de discussão pública, causa uma polêmica negativa. No mesmo jogo de ontem, tivemos um apoio absurdo vindo das arquibancadas e jogadores se doando atrás de uma bola. Só isso já deveria impedir qualquer margem a possíveis discussões sobre "a grandeza do Palmeiras", pra não entrar em questões de história, conquistas e a trajetória do clube. Tem muita gente que não se interessa em saber a história do clube e já nem se lembra (ou nunca soube) o que aconteceu em décadas não tão distantes. Para essa gente só importam o presente, o resultado do jogo e o troféu. Eu costumava chamar essas pessoas de são-paulinos e esse era o meu principal motivo para não gostar deles. Ver um comportamento parecido em um palmeirense dói mil vezes mais. "Amanhã vão me zoar na escola". Isso lá é preocupação de palmeirense ? Preocupe-se com o próximo jogo, pense na grandeza do seu clube e da sua torcida, não dê ouvidos aos torcedores adversários e ERGA-SE. É um processo que dura alguns minutos, fácil, fácil.

Uma das coisas mais admiráveis em uma instituição é como sua causa consegue criar uma atmosfera de paixão à sua volta, independentemente do momento. Eu escolhi meu time sentindo isso... e não são tantos os clubes brasileiros de futebol que me passam essa noção. A qualidade de uma torcida assim não se resume a checar o resultado do jogo no jornal. Eu tenho um grupo sólido de amigos que saiu dessa comunidade e que vem crescendo de 2005 para cá. Pessoas que agora não se encontram mais apenas em jogos, mas que também fazem muitas outras coisas juntas. É por motivos aparentemente banais como esse e por tantos outros que o Palmeiras é muito maior que qualquer jogo isolado de futebol... e não acho que nos cabe definir a sua grandeza a todo momento. A grandeza é inquestionável e é o que nos torna uma família, nos fazendo sorrir ao ver qualquer camisa verde na rua. Enxerga quem quer.


E agora pensemos no Santos.

E o câncer paulista continua, e a culpa é sua!






Nas terras da Fiesp, quem tem Amil é rei. Já a plebe, bem... essa raça tem que se virar com o que pode e o que não pode. Afinal, o que que custa segurar uma dorzinha só mais um dia ou um mês. Se você não morrer da doença, morre da infecção do hospital.

São Paulo, excelência no que faz de melhor: esquecer de quem precisa de atenção*.
*A não ser que você seja um banqueiro, Matarazzo, do DEM (o), do PSDB, do Jardins, do Morumbi ,etc!



SP tem 118 hospitais com falhas no controle de infecções, diz estudo
Após sorteio de forma aleatória, 158 hospitais do estado de SP foram fiscalizados.


Um levantamento inédito feito pelo Ministério Público do Estado de São Paulo e pelo Conselho Regional de Medicina de Sao Paulo (Cremesp) divulgado nesta segunda-feira (13) revela que 118 hospitais do estado de São Paulo apresentaram falhas no controle de infecções, conforme detectou fiscalização realizada entre outubro de 2007 e janeiro de 2008.

"Infecção hospitalar é toda infecção adquirida após a admissão do paciente na unidade hospitalar e que se manifesta durante a internação ou após a alta, desde que relacionada com a internação ou com procedimentos hospitalares", diz o relatório divulgado pelo MP e pelo Cremesp.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Infectologia considerados no estudo, de 5% a 15% dos pacientes internados no Brasil contraem alguma infecção hospitalar.

O estudo foi realizado em 158 hospitais fiscalizados, sorteados de forma aleatória. As unidades flagradas com falhas (118 hospitais) têm até 90 dias para cumprir as exigências de controle previstas na lei federal nº 9.431, de 6 de janeiro de 1997, e na portaria nº 2616, de 12 de maio de 1998, do Ministério da Saúde, segundo o promotor Reynaldo Mapelli Junior, coordenador da área de saúde pública do MP.

Segundo o Cremesp, no total, há 741 hospitais no estado, excluídas as unidades asilares, as psiquiátricas e as que têm menos de 20 leitos. Os nomes das instituições pesquisadas ainda não foram revelados.

Os fiscais checaram se os hospitais vistoriados tinham um conjunto adequado para lavagem de mãos, se a central de esterilização de materiais tinha normas escritas de uso, se os hospitais tinham controle e registro vacinal dos profissionais, entre outros itens obrigatórios segundo a legislação para evitar infecções. A intenção, segundo Mapelli Junior, é tornar essas fiscalizações constantes.

Mesmo que todos os itens obrigatórios do programa de controle de infecções hospitalares venham a ser cumpridos, o médico-fiscal do Cremesp Fernando Galvanese explicou que é impossível garantir um "nível zero" de infecção hospitalar. "Infecções não são um fenômeno que possa ser erradicado", afirmou.

Fonte: G1

Drops (e não é o doce!)






Semana: Passada a euforia do jogo de quarta e a derrota de sábado, começamos mais uma semana de decisões. Quarta às 19:45 e sábado às 18:10 entrarão de uma forma ou de outra na história do Palmeiras. Temos com todas as forças passar pelos nossos adversários para termos chances de se classificar para a segunda fase da Libertadores e irmos a final do Paulistão, respectivamente.


Quarta passada: Depois de muita falação, as putinhas do Nordeste levaram uma chapuletada do Diego Showza e cia, que deixou as menininhas sem saber o rumo e a direção. Nosso camisa 7 fez um golaço, digno de Edmundo (sem comparações) em tempos aureos. Sem falar no nosso milagreiro que promete ser um dos fatores de desiquilibrio dessa Libertadores. Agora é pegar as putinhas do Ciro e agregados e sentar o reio nesta quarta. Chuto Palmeiras 3x0, com gols de Keirrison (2) e Marquinhos.


Sábado passado: Chamei um amigo santista para ver o jogo num barzinho lá na Mooca (minha goma) e por azar dele estava repleto de Palestrinos em relação a uns 4 santistas (inclusive ele). Tudo transcorreu muito bem, bem... a não ser as ofensas ao noss eterno rival e freguês, já que o dono do bar torce para eles. Nada que uma bronca do tomador de decisões do estabelecimento, estabelecesse as ordens do local. Apesar da derrota, num jogaço, onde a raça dos dois times mais a sorte do Santos prevaleceram, a mocinha do caixa errou a conta e pagamos dos 50 reias certos, só 20 reais. Uma mamata que não queríamos perder, já que semana que vem, caso não consiga ingresso estarei lá de novo. Aquele espetinho de carne e de pão de alho, hum... é de dar água na boca.


Palmeiras 1x2 Santos: O Palmeiras jogou muito bem, e se não fosse a má fase do K9, estaria ganhando do fish de 2x0 em menos de 15 minutos de jogo. Aí, brilhou a estrela do cagadaço Kleber Pereira. Mano, como a bola procura esse cara. É incrível.
Na volta do segundo tempo, Luxa mexeu errado e logo de primeira, enquanto os times estavam se lembrando de que lado atacam, o garoto Neymar, que se deixarem (inclusive ele mesmo) será um magnífico jogador, meteu uma bola lenta de virada, típica de sinuca, 2x1. Daí em diante, tirando uma bela tabela do Santos que o Marcão defendeu, o Palmeiras perdeu as melhores chances para empatar ou virar o jogo. Mas esbarrou nas mãos so louco goleiro santista, que tem a fama de dar patadas voadoras e correr atrás de companheiros de times com a faca na concentração. Ficou para a próxima semana a vaga , já que basta o Palmeiras fazer o dever de casa pelo placar mínimo que estará na final. Força Verdão. Se der eu estarei por lá, apoiando você.


Ingressos: A outplan está de parabéns pelo o aumento do número de postos de venda dos ingressos dos jogos do Palmeiras. Apesar de eu não ter encontrado o meu, já que tinha acabado nos postos da Av. Paulista, a disponibilidade de maiores postos ajudará e muito o torcedor a adquirir o seu suado ingresso (leia aqui o relato do meu amigo Ademir do Forza-Palestra). Espero, assim como milhões de Palmeirenses que a empresa tenha uma ação para evitar os famigerados cambistas que só fodem a vida do torcedor, principalmente os do nosso time. Parece que a empresa vai criar uma espécie de Bilhete único para o torcedor colocar créditos e comprar seu ingresso no conforto da sua casa. Não se esqueçam do sócio-torcedor, uma campanha desse tamanho e importância pode ser associada a esse falido projeto. Acorda diretoria palmeirenses, olha aí uma boa oportunidade.


Recomendação: A um tempo que estava adiando de ir ver a peça Jogando do Quintal. Pura idiotice da minha parte. A peça é muito boa e garante o riso do começo ao fim do espetáculo. Vale a pena dar uma conferida!

A diferença entre a obrigação e o épico






Se em todos esses anos a partir de 26 de Agosto de 1914 se o Palmeiras precisar de motivação para ganhar de qualquer time no mundo, alguma coisa está errada com nossa história. Desde quando se intitulava Palestra Itália, nós encaramos desafios em que a poesia e os deuses nos hospedava a derrota, como única opção de todas. Batemos de frente com Santos de Pelé, Botafogo de Garrincha, Inter de Falcão e mais e mais jogos e times onde se não éramos favoritos combatíamos de igual para igual sem receio do que nos esperava.


Partidas foram vencidas e perdidas, mas, marcadas pela raça e determinação em busca do que acreditávamos e queríamos. Com apoio de sua torcida, dirigentes e principalmente do próprio time levamos um desacreditado Palmeiras à semifinal de uma Libertadores com o grande Boca Jrs. de Riquelme e cia. Perdemos, sim, lutamos, sim, doeu sim! Desistimos, não!


Em momentos de superação não há times grandes, craques, forte e fracos. Existe sim alguém que acredita no que busca e luta atrás do seu objetivo. Em jogos como o que nos espera na noite de amanhã não precisamos de 11 Ademir da Guia ou 11 Alex, precisamos de 11 Galeanos e 11 Pierres. Lutar acima de tudo.



Ganhar talvez, lutar sempre!



Por isso reitero que ganhar do Sport em Pernambuco não é um fato histórico, é obrigação. Obrigação de sempre entrar em campo para buscar a vitória, seja ela previsível ou 'impossível'. Obrigação de um time que tem em sua história times, títulos e colhões que o possibilita a qualquer conquista.


Cada partida relata sua história ao longo dos capítulos rabiscados nos minutos que corre a peleja. Se a batalha de Recife virará um épico, só o apito daquele que tem a infeliz profissão de encerrar o grande espetáculo caberá responder.


A nós, pobres mortais que se limita a amar essa instituição basta vibrar, torcer e incentivar sempre. Mesmo quando nos espera o contrário e o imponderável. A vocês jogadores, que também se enquadram como mortais, bastam entrar em campo com o espírito de um campeão incontestável, de um clube com uma história invejável e com os maiores jogadores do mundo que habilita a sempre sermos favorito, de tudo, sempre!


O mês de abril é o momento de deixar todos os interesses ímpares de lado, se entregar em campo, sujar a camisa de sangue, jogar machucado, chutar de bico, bater a cabeça a trave, vibrar em cada lateral como se fosse o último, aceitar que você pode não ser o melhor mas vai ganhar, que se levarmos um gol poderemos fazer outro aos 44 e 46 do segundo tempo e que acima de tudo podemos qualquer coisa se buscarmos com afinco, suor e raça!



Palmeiras nós acreditamos em você sempre, onde e como estiver!



Aqui é Palmeiras, porra! O Campeão do Século XX!


Forza Itália

Poster






O Palmeirense Guile Canhisares Amadeu criou esse belo poster baseado na idéia da campanha eleitoral "Yes, we can" do presidente Barack Obama.


Clique aqui na figura e salve ou divulgue em seu blog, sites ou por e-mail aos amigos.


Bela iniciativa!




Ainda precisam de mais motivação?






História retirada de uma membra da comunidade do Palmeiras no Orkut, a Hamayan. Vale e muito a pena ler.
Se os jogadores precisam de mais motivação, basta eles compreenderem onde eles realmente jogam. Aqui é Palmeiras, o campeão do século XX.



Nossa história, nosso orgulho...


Hoje estava na padaria dos meus pais logo cedo, entrou um senhorzinho muito fofo e me viu com a blusa do Palmeiras e desviou os olhos... Fui atender ele só por petulância ele pediu e perguntou PALMEREINSE?
Eu acho fui ate arrogante, mas respondi COM MUITO ORGULHO, GRAÇAS A DEUS.

Ele então percebeu o tom da minha voz e falou Palmeiras de Valdívia o mago verde, Marcos o santo goleiro, o menino novo lá como mesmo K9 né? Edmilson campeão de uma Copa do Mundo, Luxemburgo o técnico invejado por todas as equipes, Pierre um cão na marcação, Diego Souza que vem jogando muito?

Eu olhei assustada e com um sorriso e disse sim esse Palmeiras.

Ele continuou... O Palmeiras que quarta-feira jogará na Ilha do Retiro e dizem que não é favorito? Eu balancei a cabeça com um olhar vago mas confiante... Ele olhou nos meus olhos quem te disse que não é favorito menina? Você realmente acha que o Sport vai ganhar do glorioso Palmeiras? Você acha que seu time vai perder lá? Eu respondi firme tenho certeza que não. Já passamos por coisas muito piores e vamos passar por essa.

Ele sorriu singelamente e falou certeza, e continuou eu vi um Palmeiras que você não deve ter visto que fez muita gente sorrir e chorar nesse Brasil viu. Eu já estava com um sorriso arrebatador e com os olhos enormes de felicidade...

Mas ele não parou por ai, falou, seu time é um campeão incontestável seu time tem uma historia invejável, eu tenho orgulho de falar que vi o Palmeiras ser campeão mundial em 51 e que eu acompanhei os maiores jogadores do mundo no seu time continuo acompanhando porque o seu time é favorito de tudo sempre, pode não ter bons jogadores mais a história de vitórias que ele tem fala por si.

Meus olhos que estavam vagos olhando para o chão subiram e olhei nos olhos do senhor que falava com tanto orgulho do meu time e vi olhos azuis transparentes com um brilho de vida e de historia incrível, com aqueles traços de velhice ao lado dos olhos... Eu suspirei e escorreu algumas lágrimas, ele me olhou e falou: nunca vi olhos verdes mais bonitos que os seus e nenhum palmeirense nunca chorou quando eu disse isso. Eu sorri limpei a lágrima e olhei ao meu redor tinham mais 3 pessoas olhando pra nos dois e emocionadas com o que estava acontecendo ali.

Ele falou é minha filha deve ser duro ser palmeirense, sem titubear eu respondi o senhor acabou de me dar mais motivos pra ter mais orgulho ainda do que eu já tinha.

Ele sorriu e eu continuei posso te dar um abraço? Ele olhou com os olhinhos de vidro cheiiios de água eu ia te pedir isso agora.

Abracei-o e depois perguntei agora posso saber o nome do senhor e o time que torce? Ele disse meu nome é Ademir e eu sou torcedor, na minha idade não se tem mais time só sou mais um amante de futebol e admirador da história dele. E pode ter certeza que nunca esquecerei das lagrimas que saíram desses seus olhos verdes minha filha... eu chorando de novo falei, e eu nunca esquecerei do que o senhor me disse.

Carimbada a primeira classificação






O Palmeiras conseguiu na tarde desse domingo matar um monte de possíveis "crises" da imprensinha. Caso o verdão não ganhasse do Botinha, já jogariam na grande mídia:


Fantasma do Palestra assombra novamente

São Paulo confirma a crescente e é favorito na r
eta final

Palmeiras pipoca mais uma vez em casa. Vide Botafogo e Atlético-MG

Keirrison passa em branco e já não decide a 4 jogos



Dessa vez não demos motivo para essa palhaçada toda. Num jogo difícil ganhamos e garantimos a primeira colocação do Paulistão (com "ão" mesmo, pois "inha" é para quem pensa pequeno).


O resumo do primeiro tempo é fácil de escrever: o Botafogo deu um calor desgraçado, se esse time tivesse mais um ou dois jogadores mais conhecidos poderia estar no lugar do Santo André ou Lusa brigando por uma vaguinha nas semi. Eles marcaram muito bem a entrada da área e os jogadores que desequilibram. Ai ficou nos pés de Edmílson e Marcão a criação das jogadas, já que nossos laterais não existem (Armero foi polpado pelo Luxa e entrou no segundo tempo). O time da quentíssima Ribeirão Preto abriu o placar numa falha grotesca do goleirão Bruno (eu disse falha e não frango), que momentos antes tinha salvado o time duas vezes, por isso ganha crédito. Porém, não se esqueça que goleiro está lá para não falhar, e se acontecer que assuma que a torcida te perdoa. Só não diga "Eu não vi falha no lance, pois estava bem colocado e esperando um cruzamento. O jogador do Botafogo foi muito feliz e teve sorte, pois ele mesmo admitiu que tentou fazer o cruzamento. Felizmente, reagimos e conseguimos a virada." novamente, ok!? De mascaro no futebol já basta o do outro ladodo muro.


Ainda no primeiro tempo, Luxa optou por Evandro (que está em ascensão) no lugar do Jumar, que vinha fazendo uma partida bizonha (Se Lenny e Diego Souza deram a volta você também pode). Com isso o time melhorou o giro da posse de bola, no qual foi primordial na volta do intervalo. O time passou a dominar a posse de bola e tocar de forma inteligente até achar as brechas do bom time do Botafogo. E numa delas o Cleiton Xavier meteu uma primorosa bola entre a zaga para o Ortigol entrar de carrinho e encobrir o goleiro (nunca tinha visto isso), era o empate. Dois minutos mais tarde, Diego Souza numa jogada individual entrou driblando e trombando na área chutando forte, virando a partida. Do gol em diante podemos ver as tentativas do K9 em acabar com esse mini jejum passarem perto da trave. O time armou mais, e usou de toda a calma para matar a partida. Gostei muito disso, e espero que o time tenha toda a calma a precisão na quarta-feira, lá em Recife contra as putinhas do Nordeste.




Notas:

- Esse ano os grandes não deram sopa para o azar e carimbaram a classificação.

- Edmilson funciona melhor como volante, porém ele tem que treinar mais o tempo nas jogadas individuais dos adversários, em todos os lances ele está ficando pra trás. Em compensação sua calma a liderança em campo caiu como uma luva para o time. Apesar de as vezes matar a torcida do coração.

- Danilo está jogando muito sério, assim como deve ser um zagueiro simples e eficiente.

- Ortigol está jogando muita bola, e já começa a ameaçar a preferência de Lenny e Marquinhos. Esses dois últimos que abram o olho.

- Como dói ver o Kléber metendo caixa todo jogo lá nas Marias. O garoto só gosta de fazer de 2 pra cima. Teria sido muito importante nessa Libertadores. Saudades.

- Essa putinha do caralho quer de qualquer forma foder o Palmeiras e sua torcida. Olhem só o eles fizeram para a venda dos ingressos do visitantes:

Ingressos em Recife

Por Fábio Finelli - Assessoria de Imprensa SEP

Foram disponibilizados 2.700 ingressos para a torcida do Palmeiras para a partida desta quarta-feira (08), contra o Sport, no estádio Ilha do Retiro. Os ingressos só serão vendidos em Recife, somente no estádio do Sport.

As vendas começam nesta segunda-feira (06), das 13h às 17h. Na terça-feira, os ingressos serão vendidos das 9h às 17h, e na quarta-feira, das 9h até o horário da partida. O valor do setor de arquibancada é R$ 100,00 [R$ 50,00 meia-entrada para estudantes e aposentados].

Os guichês de venda dos ingressos para a torcida do Palmeiras não são exclusivos e serão os mesmos destinados à torcida do Sport.



Não contente em meter a faca no valor ainda só vão vender lá no estádio e no mesmo guichê da torcidinha deles. Que a administração faça pior com eles aqui. que tomem banho no gelado, que pintem o vestiário no dia, que quebre as lâmpadas e deixe as escuras essas putinhas. Chega! Aqui não tem otário!

- Os gambás e bambis quase se foderam na rodada e agora se enfrentam nas semifinais. Minha torcida é total ao time da marginal sem número. Chega de aguentar essas putinhas da imprensinha!

- Eu falei para o meu amigo "Seu Cruz" que a Lusa é o Botafogo de São Paulo. É incrível como tem coisas que só acontecem com a Lusinha. Perder a vaga por um gol é brincadeira hein!



Para terminar segue o vídeo abaixo com um aperitivo para o jogo de quarta. Porém, faço das palavras do Seu Cruz as minhas:

"Ganhar no Recife é fazer a lição de casa, é não tomar conhecimento de um time pequeno e colocá-lo em seu lugar. Se o Palmeiras não for capaz de fazê-lo, então esqueçam esse torneio, porque não teremos feito por merecer.

Quem perde para o ixpót perde para qualquer um… É hora de ser Palestra e tomar consciência de nossa grandeza: para tirar qualquer dúvida sobre nossa capacidade, ou sobre o potencial dessa equipe, o Palmeiras precisa se impor em campo e ganhar - ganhar bem."





Ps.: Foto by Terra

Muitas novidades à vista







Essa semana foi de total desprezo ao blog. Já que os vagabundos que se candidataram a mantê-lo atualizado não dão mais as caras, fica na minhas costas ir atrás dos "corres". Mas tudo bem, haverá troco. Deixa só o magnata russo terminar de fechar patrocínio conosco que vocês irão ver o dinheiro brotando.


Enquanto o mano da Vodca não se manifesta, esse mero mortal que vos escreve foi atrás de um monte de coisas legais para os ingratos dos leitores. Isso mesmo, vocês também têm conta no cartório. A primeira é que o nosso querido blog (querido de quem, além de mim!?) está no Twitter. Seja lá para o que for, estaremos lá.


Para nos seguir (coisa bambi) é só clicar no link abaixo




Mudei também o cabeçalho do blog. Agora em flash. Óia só. Ficou muito legal, curti muito (mesmo não entendeu porra nenhuma de flash). Está aqui o link do programa que usei para fazer uma espécie de álbum de fotos e publica-las online.


E por último daremos numa promoção futura de um bolão do nosso ou de uma parceria em andamento com outro bloga, a nova camisa que sairá do forno semana que vem.

Aguarde...


Bem... acho que é só. Desculpe aos muitos e muitos leitores (aproveitando de última hora o 1º de abril) pela desatualização.


Amanhã é primeiro lugar garantido e eu estarei lá no Palestra Itália.


De última hora, mas não menos importante: Ei, Paulinho motoca vai tomar bem no meio do olho do seu cu!